A vida encontra um meio… ou acha um jeito?

A vida encontra um meio… ou acha um jeito?

 

A célebre frase de Jurassic Park já foi oficialmente traduzida de diversas formas no Brasil. Você conhece todas as versões?

Quando Michael Crichton publicou Jurassic Park em novembro de 1990, uma frase estava perdida em um extenso diálogo do personagem Malcolm. O autor certamente não imaginava que essa frase ganharia um status enorme na franquia. Ela está no capítulo Stegosaur, um pouco antes do meio do livro. No trecho, o matemático dizia que os gestores do parque não conseguiriam controlar os animais, inclusive na política que impedia que se reproduzissem. Que a vida se expande e rompe barreiras. E termina com a expressão But life finds a way. Antes da frase ficar famosa, o leitor comum passava por esse trecho e seguia lendo sem perceber que um dia ela viraria uma referência referência pop.

“But life finds a way”. Texto original de Crichton, de 1990.

Imediatamente após, já no ano de 1991, o convênio entre as editoras Best Seller e Círculo do Livro contratou o tradutor Celso Nogueira para transpor o livro para o português brasileiro. Em sua tradução, que é considerada por muitos como a melhor tradução deste livro até o momento, a frase foi redigida como “Mas a vida dá um jeito”. Inegavelmente uma boa tradução, bem fiel à ideia original, apesar de não ser literal.

“Mas a vida dá um jeito”. Primeira versão em português, em 1991.

E então tivemos a adaptação do livro para o cinema. Em 1993 os roteiristas pegaram, de um longo sermão de Malcolm, este pequeno momento e o transformaram em um bordão. Não se sabe se esta ideia veio de Michael Crichton, autor do livro original, ou de David Koepp, responsável por fazer os últimos ajustes no roteiro. A frase ganha contornos de bordão quando aparece em dois momentos do filme, em uma atmosfera que dá a ela uma importância maior do que a fala do livro tinha. Primeiro, deram a ela ênfase no momento em que Malcolm a proclama, no início do filme e depois a trazem de volta no fim do filme, agora na voz de Grant, quando ele descobre que de fato os animais se reproduziam no parque. No filme, o matemático diz a frase de uma maneira ligeiramente diferente ao que estava escrito no livro original, ele fala: No, I’m simply saying that life, uh… finds a way.

A dublagem brasileira clássica, feita pelo estúdio Álamo, traduziu a frase com a voz do dublador Leonardo Camillo. Ele diz “Não, eu só estou dizendo que a vida, ah… encontra um meio”. Quem assistiu ao filme na versão dublada, seja no cinema, seja pelo incrível VHS da capa fóssil, conheceu a frase pela voz de Leonardo. Essa mesma dublagem foi posteriormente colocada no DVD e está disponível em serviços de streaming, como a Netflix e o Prime Video. Até hoje, é a versão oficial colocada pela Universal Pictures Brasil em todos os produtos Jurassic.

Veja no vídeo as dublagens de Jurassic Park

Com a ida de O Mundo Perdido para os cinemas, finalmente a TV aberta brasileira se dignou a levar Jurassic Park para a telinha, 4 anos após sua estreia na telona. Por algum motivo contratual ou financeiro, parece que a Globo não podia usar a dublagem original em sua transmissão. Então o canal pagou para o estúdio Herbert Richers fazer uma nova dublagem. É aí que entra o dublador Hélio Ribeiro, que empresta sua voz para Malcolm e diz a famosa fala assim: “Não, eu só estou dizendo que a vida, é… encontra um jeito”. Quem, ao longo dos anos, assistiu o filme pela fita VHS está acostumado com a dublagem da Álamo. Quem teve contato com Jurassic Park depois, pela Globo, geralmente prefere a dublagem da Herbert Richers. Nos parece que a preferência aqui é só uma questão de qual dublagem cada espectador esteve acostumado a ouvir.

A próxima versão da frase de Malcolm vem novamente em um livro. Em 2009 a editora de livros-de-bolso, L&PM Pocket, em conjunto com a Rocco, contratou uma nova tradução para O Parque dos Dinossauros, desta vez nas mãos de Alberto Lopes. Aquele parágrafo em que a frase aparece sem destaque foi traduzido como “Mas a vida sempre encontra um caminho”.

“Mas a vida sempre encontra um caminho”. Segunda tradução do livro de Crichton, em 2009.

Com os eventos de comemoração do aniversário de 20 anos do primeiro filme, Jurassic Park foi relançado nos cinemas com uma excelente versão tridimensional em 2013. Por motivos desconhecidos, a Universal Pictures Brasil optou por não usar a dublagem original de 1993. Como o Estúdio Álamo havia fechado as portas dois anos antes, e a dublagem da Herbert Richers contratada pela Globo provavelmente é para veiculação exclusiva do canal, a Universal teve que contratar um novo estúdio para executar a dublagem. É aí que entra a Delart, que escalou praticamente todas os dubladores da versão Herbert Richers. Novamente Hélio Ribeiro interpreta Ian Malcolm, e a frase do matemático foi traduzida de maneira diferente daquela que o dublador proclamou na gravação de 1997. Ele agora diz “Não, eu só estou dizendo que a vida, é… acha um meio”.

A última versão que temos seria a terceira tradução do livro de Crichton, encomendada pela editora Aleph em 2015. Programado para ser lançado concomitante à estreia de Jurassic World, a nova edição de O Parque dos Dinossauros (desta vez saiu com o título em inglês, Jurassic Park) foi traduzida por Marcia Men. Essa edição foi um tanto hostilizada pelos fãs de Jurassic por causa do infeliz posfácio incluído ao fim do livro. Estranhamente, toda a fala do Malcolm é idêntica à tradução anterior da L&PM. Marcia traduz o a fala original de Malcolm como “Mas a vida sempre encontra um caminho”.

“Mas a vida sempre encontra um caminho”. Terceira tradução do livro de Crichton, em 2015.

No final, temos cinco versões diferentes em português da fala de Malcolm. Duas para o livro e três para o filme. Obviamente todas são aceitáveis e traduzem a ideia original de Crichton, mas apenas como um exercício, vamos estudar qual seria a melhor tradução. Com relação ao livro, a frase original era “But life finds a way“. Verificando as melhores palavras para exprimir esta ideia, a tradução ficaria como “Mas a vida encontra um caminho”. No contexto da fala, “Encontrar” é uma tradução melhor do que “achar” para “find” e “caminho” é melhor do que “meio” para a palavra “way“. Nas traduções do Alberto Lopes (L&PM) e da Marcia Men (Aleph) eles colocam que “a vida sempre encontra um caminho”, eu realmente não sei dizer de onde eles tiraram o “sempre”…

Já no universo do filme, a frase original era “No, I’m simply saying that life, uh… finds a way“. Verificando as melhores palavras para exprimir esta ideia, a tradução ficaria como “Não, eu simplesmente digo que a vida, uh… encontra um caminho”. Como no caso do livro “encontrar” e “caminho” são as melhores palavras para a tradução. Mas na dublagem há um detalhe de grande importância, as palavras devem encaixar na articulação da fala do ator, então a palavra “meio” se encaixa melhor do que “caminho” quando Jeff Goldblum está articulando “way“. E “simplesmente” também é uma palavra longa demais. Dessa forma, talvez o ideal seja “Não, eu só estou dizendo que a vida, ah… encontra um meio”. Vamos ver como os três estúdios de dublagem traduziram:

  1. “Não, eu só estou dizendo que a vida, ah… encontra um meio” (Leonardo Camillo, Álamo, 1993)
  2. “Não, eu só estou dizendo que a vida, é… encontra um jeito” (Hélio Ribeiro, Herbert Richers, 1997)
  3. “Não, eu só estou dizendo que a vida, é… acha um meio” (Hélio Ribeiro, Delart, 2013)

Nesse sentido, poderíamos dizer que a primeira tradução da Álamo, seria a melhor. A tradução da Delart também é boa, apenas trocando “encontra” por “acha”.

Se me permitem um parêntese, em 1997, com o lançamento da primeira sequência da franquia, O Mundo Perdido, David Koepp (desta vez trabalhando sozinho no roteiro, sem a colaboração de Crichton) deu novamente ênfase à frase de Malcolm, o que a consagrou em definitivo como o lema da franquia. No início e no fim do filme Hammond traz o bordão à tona, inicialmente dizendo para Malcolm “Life will find a way, as you once so eloquently put it“. e, ao fim do filme, fechando a aventura com “And if we could only step aside and trust in nature, life will find a way“. Certamente foi esse resgate em O Mundo Perdido que elevou mais ainda o patamar da frase. Ela deixou de ser um bordão do primeiro filme e se transformou em um lema maior, para toda a franquia. E foi aí que ganhou o status de frase icônica, importante para a cultura pop, equivalente a “Audaciosamente indo aonde nenhum homem jamais esteve” para Jornada nas Estrelas, ou “Que a força esteja com você” para Guerra nas Estrelas. Tanto é, que este foi o lema estampado nos painéis de Jurassic World – Reino Ameaçado. Os painéis brasileiros mostram que a tradução em português oficialmente adotada pela Universal é a da dublagem clássica da Álamo: “A vida encontra um meio.”

Você conhecia todas essas versões de frases? Qual a sua preferida?

m

Haja tradução!

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *