Equipe de Jurassic Park é chamada para montar esqueleto em museu

BRITAIN-ARCHAEOLOGY/

Uma equipe de profissionais que trabalhou em Jurassic Park participou da criação da nova exposição na entrada do Museu de História Natural de Londres.

No início do ano, o esqueleto do Diplodocus “Dippy”, que permaneceu na entrada do Museu de História Natural de Londres por 112 anos, foi desmontado. Os ossos do dinossauro foram escavados em 1898, mas as peças expostas por tanto tempo eram réplicas, montadas de uma forma bastante arcaica. Foram enviadas para o Canadá, onde atualmente fabricam uma estrutura de metal para a nova montagem que será usada no próximo ano em uma exposição itinerante de despedida pelo Reino Unido. Depois da exposição provavelmente o esqueleto será guardado na reserva técnica do museu.

Dippy NHM 5 em 1905

Dippy ao chegar no museu, em 1905.

Dippy NHM 5

Dippy pouco antes de ser desmontada.

Dippy foi retirado do saguão de entrada do museu para dar lugar a um esqueleto de baleia azul. Esta espécie é o o maior animal que já viveu na Terra e, apesar da tristeza generalizada pela perda do dinossauro – que era a própria imagem do museu – sua escolha foi aplaudida para a substituição do Diplodocus.

Um fato interessante é que um grupo de engenheiros associados à produção de Jurassic Park – infelizmente não conseguimos descobrir quem são – estiveram por trás da construção da gigantesca (e quase invisível) estrutura de metal que sustenta a baleia no ar. Esta equipe foi responsável pela montagem do esqueleto de Tyrannosaurus rex no filme. O projeto inédito era tão desafiador que necessitou da participação de conservacionistas, especialistas em estruturas, armadores e engenheiros.

Dippy NHM 3

Dippy NHM 1

Montagem da baleia azul (NHM).

Havia também expectativa acerca da possibilidade do crânio, sustentado por uma estrutura metálica discreta, desenhada pela equipe de Jurassic Park, não passar pela estreita porta de entrada do museu. O problema foi solucionado de forma engenhosa e o esqueleto pôde ser completado.

Dippy BBC

BBC

Dippy NHM 2

NHM

Mas ao contrário do dinossauro, que permanecia estático no centro do salão, a baleia foi montada de forma a parecer mergulhar do teto do prédio, com a cauda batendo para cima e a mandíbula aberta em grande movimento, que dá a ideia de que o enorme animal está prestes a engolir quem entra no prédio.

A ideia do museu é focar a atenção do público em animais vivos, pois os dinossauros tiveram seu lugar de honra na entrada da instituição por mais de cem anos. E é muito bom ver profissionais que fazem um trabalho espetacular para o cinema também se dedicarem à divulgação científica em instituições tradicionais.

Fontes: Telegraph, Guardian e BBC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *